terça-feira, 28 de junho de 2011

video
6º CONGRESSO ESPÍRITA DO RIO GRANDE DO SUL

terça-feira, 21 de junho de 2011

 A INFLUÊNCIA DOS PAIS SOBRE OS FILHOS
      “Os Espíritos dos pais  exercem alguma influência sobre os dos filhos, após o nascimento destes?

     __ Exerce, e muito, pois como já dissemos, os Espíritos devem concorrer para o progresso recíproco. Pois bem, os Espíritos dos pais tem a missão de desenvolver os dos filhos pela educação: isso é para ele uma tarefa: Se falharem, serão culpados”. (Allan Kardec - O Livro dos Espíritos, Questão 208).


     Instruir significa oferecer conhecimentos a alguém, ministrar-lhe ensinamentos que, via de regra, são obtidos em estabelecimentos estudantis próprios para tal fim, enquanto educar é formar caráter, tarefa preponderante da família.

     Uma pessoa pode ser instruída sem ser educada. A sociedade está repleta de exemplos dessa natureza, no entanto, quem é educado também é instruído, pois que a educação pressupõe uma ação mais completa.

     Sendo Espíritos imortais, criados por Deus na simplicidade e na ignorância, com a proposta de alcançarmos a perfeição à partir dos nossos próprios esforços, em busca do aprimoramento pessoal, saímos um dia das esferas espirituais para uma existência na Terra, trazendo na bagagem inúmeras metas a serem alcançadas, tendo em mira a nossa prosperidade e evolução.

     Renascidos neste mundo, sob a guarda e tutela dos pais, neles depositamos nossas esperanças de concretização dos nossos sonhos, contando com a imprescindível colaboração deles, o que possibilitou a nossa caminhada até aqui, com as condições devidas para que colhêssemos os frutos das semeaduras que fizemos.

     Da mesma forma, nossos filhos, em idênticas condições e desejos, também aspiraram progresso e melhoria, despertando em nossos braços dentro de um novo processo reencarnatório. Buscam por aperfeiçoamento e evolução e confiaram em nossas mãos seus anseios de crescimento espiritual.

     Sendo assim, é indispensável compreender que a paternidade é, sem dúvida, uma das maiores missões que alguém possa receber sobre a face da Terra. Tarefa de extrema e capital importância, pois que dependendo da responsabilidade e dedicação como é executada, contribuiremos para a formação de uma sociedade mais justa, fraterna e humana ou criaremos núcleo de indivíduos desajustados, inconseqüentes e imaturos que comprometerão a estabilidade do organismo social em que mourejamos.

     Nenhum pai e nenhuma mãe poderá desconhecer a gama de responsabilidades que pesa sob seus ombros. A cada um deles Deus perguntará, através das suas próprias consciências : o que foi feito dos filhos que a eles foram confiados?

     Assim, é indispensável criar condições para que nossos filhos se instruam, mas é imprescindível que nos esforcemos até as raias do sacrifício para educá-los.

       E, incontestavelmente, a melhor e mais adequada forma de ensiná-los a viver com dignidade, respeito, responsabilidade e honradez é exemplificando tais virtudes, pois que os genitores são os primeiros e os mais fortes referenciais que os filhos encontram.

     Que os pais exercem reconhecidas influências sobre os filhos ninguém tem dúvidas, o que realmente precisamos refletir, maduramente, é sobre a qualidade dessas influências, pois que no momento nota-se significativa parte da infância, adolescência e juventude carregadas de problemas e carentes de um postura mais digna, fatores que poderão, sem dúvida, comprometer a reencarnação de muitos que planejaram progresso e evolução.

     Como se sentirão os pais, nos dias do futuro, ao tomarem consciência de que a falência e a derrocada dos filhos decorreram do descaso, omissão e indiferença deles diante da inadiável tarefa de educá-los e que deixaram de realizar?

     Da mesma forma, qual será o tamanho e a dimensão da alegria e da satisfação dos genitores que não descuidaram da missão de educar a sua prole, ao ver os filhos enquadrados na ordem dos homens de bem?

     Reflitamos...ainda há tempo...

sábado, 11 de junho de 2011

Em dia com o Espiritismo

Paz e discórdia

Marta Antunes Moura
    Na atualidade essa passagem evangélica ainda é motivo de controvérsias religiosas, sendo às vezes utilizada para justificar atos contrários à moral ensinada e exemplificada pelo Cristo. Nada mais justo, portanto, do que buscar esclarecimentos que auxiliem a correta interpretação do simbolismo “espada”, presente no texto de Mateus. Armando-se de prudência, o interpretador não se deixa sucumbir pelo jugo da letra, apoiando-se no lembrete de Paulo de Tarso: “Pois a letra mata,mas o Espírito comunica a vida” (2 Coríntios, 3:6).2
    Nessas condições, é possível extrair a essência do verdadeiro significado da mensagem cristã, livrando-a de adulterações de qualquer natureza. Deve-se levar em conta que a interpretação simbólica de textos religiosos, independentemente da religião, exige ponderação e discernimento por parte do estudioso, estando este consciente dos prejuízos que uma análise superficial ou apressada pode resultar para o adepto.
    Em termos históricos, a palavra símbolo vincula-se a outras:

[...] alegoria, atributo, metáfora, parábola, emblema, arquétipo, sinal de sorte, hieróglifos, sinais elementares.Cada um desses conceitos pode fazer parte de uma área de estudo multidisciplinar. 3

    Na verdade, a interpretação dos símbolos remonta às tradições muito antigas, fazendo parte do programa desenvolvido nas escolas i
niciáticas e nas sociedades secretas. De acordo com Udo Becker,

[...] Na origem da palavra símbolo encontra-se o verbo grego symballein, que significa reunir, juntar. O substantivo correspondente é  symbolon. A palavra “symbolon” é encontrada pela primeira vez no Egito antigo num selo de chumbo do tipo dos que se usavam na Antiguidade como uma espécie de marca de identidade, confeccionado de diferentes materiais – chamados  tesserae em latim. [...] Mas ao mesmo tempo o verbo  symballein passou a ser usado em expressões que descreviam a ideia de reunir, de ocultar ou encobrir. Portanto, o sinal transformado em símbolo encobria, dissimulava o sentido aberto do que era representado ou de uma expressão: quem não era iniciado não podia mais entender a expressão assim oculta. 3

    Por outro lado, era uso corrente o vocábulo  symbolum, exclusivamente utilizado pelos religiosos, para indicar “[...] os artigos de fé de uma comunidade religiosa resumidos em poucas afirmações fundamentais, com o qual sempre estava associado algo misterioso, um arcano”. 3 Contudo, com o passar do tempo, e dentro do contexto cultural, o símbolo passou a ser identificado como algo evocativo, místico ou mágico, um  meio que permite expressar conteúdos mentais: ideias, crenças, sentimentos, vontade, estado de espírito etc.
     Em consequência, qualquer interpretação simbólica, no presente, exige um certo grau de maturidade espiritual e conhecimento especializado, sobretudo porque, diante de “[...] um número incontável de símbolos ou sinais simbólicos, toda seleção será sempre uma seleção  pessoal, consciente ou inconscientemente feita pelo autor” . 3
     Retornando ao texto evangélico, citado no início do artigo, é oportuno inserir a seguinte interpretação de Emmanuel, relativa ao aludido versículo do Evangelho – “Não penseis que vim trazer paz sobre a terra. Não vim trazer paz, mas espada”:

Inúmeros leitores do Evangelho perturbam-se ante essas afirmativas do Mestre Divino, porquanto o conceito de paz, entre os homens, desde muitos séculos foi visceralmente viciado. Na expressão comum, ter paz significa haver atingido garantias exteriores, dentro das quais possa o corpo vegetar sem cuidados, rodeando-se o homem de servidores, apodrecendo na ociosidade e ausentando-se dos movimentos da vida. Jesus não poderia endossar tranquilidade desse jaez [...]. 4

    Entretanto, o que dizem os orientadores espirituais sobre o simbolismo “espada”, inserido na citação evangélica? Emmanuel elucida com sabedoria, a respeito:

[...] em contraposição ao falso princípio estabelecido no mundo, [Jesus] trouxe consigo a luta regeneradora, a espada simbólica do conhecimento interior pela revelação divina, a fim de que o homem inicie a batalha do aperfeiçoamento em si mesmo. O Mestre veio instalar o combate da redenção sobre a Terra.Desde o seu ensinamento primeiro, foi formada a frente da batalha sem sangue, destinada à iluminação do caminho humano. E Ele mesmo foi o primeiro a inaugurar o testemunho pelos sacrifícios supremos. 4

    A interpretação literal dessa lição evangélica é estímulo à discórdia e às lutas fraticidas, sempre  geradoras de tragédias e sofrimento. A medida de equilíbrio que se aplica é, então, avaliar: a) que tipo de paz buscamos, a da vaidade humana ou a do Cristo? b) Que instrumentos devemos utilizar para obtê-la?
Por meio de uma reflexão séria e honesta, fica mais fácil perceber que

É indispensável não confundir a paz do mundo com a paz do Cristo. A calma do plano inferior pode não passar de estacionamento. A serenidade das esferas mais altas significa trabalho divino, a caminho da Luz Imortal. O mundo consegue proporcionar muitos acordos e arranjos nesse terreno, mas somente o Senhor pode outorgar ao espírito a paz verdadeira. 5

    Resta-nos, pois, ficar atentos às ponderaçoes do Benfeitor:

Há muitos ímpios, caluniadores, criminosos e indiferentes que desfrutam a paz do mundo. [...]
Não te esqueças, contudo, de que a paz do mundo pode ser,muitas vezes, o sono enfermiço da alma. Busca, desse modo, aquela paz do Senhor, paz que excede o entendimento, por nascida e cultivada, portas adentro do espírito, no campo da consciência e no santuário do coração. 5

A espada simbólica anunciada pelo Cristo procura, à luz do Espiritismo, remover imperfeições morais manifestadas nos pensamentos, palavras e comportamentos dos indivíduos que ainda não conseguem abrir mão dos prazeres fictícios e transitórios da existência. Afirma Emmanuel:

Sim, na verdade o Cristo trouxe ao mundo a espada renovadora da guerra contra o mal, constituindo em si mesmo a divina fonte de repouso aos corações que se unem ao seu amor; esses, nas mais perigosas situações da Terra, encontram, nele, a serenidade inalterável. É que Jesus começou o  combate de salvação para a Humanidade, representando, ao mesmo tempo, o sustentáculo da paz sublime para todos os homens bons e sinceros. 4

Referências:
1 DIAS, Haroldo Dutra. (Tradutor.) O novo testamento. Brasília: EDICEI, 2010. p. 74.
2 BÍBLIA DE JERUSALÉM. (Tradutores diversos.)
3. reimp. São Paulo: PAULUS, 2004. p. 2019. 3 BECKER, Udo.  Dicionário de símbolos. Trad. Edwino Royer. São Paulo: Paulus, 1990. Prefácio, p. 5.
4 XAVIER, Francisco C. Caminho, verdade e vida. Pelo Espírito Emmanuel. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 104, p. 223-224.
5 ______.  Vinha de luz. Pelo Espírito Emmanuel. ed. esp. 1. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2011. Cap. 105, p. 225-226.